Rua Soldado Américo Rodrigues, 118 - São Paulo-SP 11 99480-2821 11 2954-3629 11 4380-1780

Tipos de estoque: qual é o mais adequado para a sua empresa?

Gostou? compartilhe!

Tipos de estoque: qual é o mais adequado para a sua empresa?

O que é estoque?

Estoque é o conjunto de matérias-primas, suprimentos e/ou produtos que são armazenados de forma estratégica de acordo com as necessidades de conservação de cada tipo de material.

Existem vários tipos de estoque para diferentes tipos de empresas, portanto, a decisão de manter – ou não – produtos em estoque deve ser tomada em função da demanda de produção.
O estoque de matéria-prima, por exemplo, corresponde ao armazenamento de insumos que serão transformados em produtos.

Há também o estoque de produtos não acabados e o estoque de produtos acabados, que como os próprios nomes sugerem, são aqueles que estão em fase de finalização e/ou aguardam a tomada de decisões para envio aos pontos de distribuição.

Quer saber mais detalhes sobre esse assunto e conhecer tudo sobre estoques? Então não deixe de conferir este artigo!

Quais são os tipos de estoque?

O grande desafio de uma boa gestão de estoque é escolher o tipo certo para cada segmento de atuação.
Essa escolha, a depender do ramo de atividade da empresa, pode ser determinante para diferenciá-la de suas concorrentes.

Antes de decidir entre os tipos de estoque, a empresa deve analisar as características de seus produtos, verificando questões como sazonalidade e demanda de produção, por exemplo.

Na lista a seguir você conhecerá os principais tipos de estoque recomendados na atualidade, de acordo com o que preconiza a moderna gestão empresarial. Acompanhe!

Estoque de ciclo

Para que não haja confusões e perdas — como resultado da variedade da produção—, recomenda-se a utilização desse tipo de estoque para empresas que vendem produtos diversos e em larga escala.

Pelas suas próprias características, muitos produtos possuem diferentes etapas de produção, no entanto, as vendas não acompanham essas etapas e são realizadas conforme a demanda.

Assim, por meio de estoques que são formados com base na etapa de fabricação, a empresa poderá manter um sistema organizado e racional, capaz de absorver sem transtornos os materiais somente à medida que forem sendo disponibilizados.

Isso fará com que, durante o período de “entressafra”, a empresa possa dedicar-se a outros setores e projetos.

Com o estoque de ciclo, os produtos são armazenados de acordo com a etapa de produção.

Estoque de proteção

O estoque de proteção nada mais é do que um estoque de reserva para o caso de contratempos.
É um dos tipos de estoque capaz de atender a uma demanda inesperada sem transtornos e de garantir a continuação das atividades mesmo se o reabastecimento for interrompido.

Se, por exemplo, houver uma greve de caminhoneiros, entraves para a renovação de contratos com fornecedores ou mesmo uma demanda inesperada, a garantia de uma quantidade mínima de produtos impedirá a desaceleração brusca do setor de vendas, já que poderá lançar mão de produtos estrategicamente armazenados para esses momentos.

É o tipo de estoque aplicado nas grandes indústrias e multinacionais, como as do setor alimentício, têxtil, automobilístico e de construção civil.

Estoque de antecipação

Em épocas festivas, como no natal, por exemplo, há um aumento brusco na venda de vários tipos de produtos e as empresas já se preparam com alguns meses de antecedência para aproveitar as oportunidades de negócios nesses períodos do ano.

Logo, surge a necessidade de aumentar a produtividade e é aí que entra a importância do estoque de antecipação ou estoque sazonal.

Esse é outro entre os tipos de estoque mais conhecidos, que de certa forma, também pode funcionar como uma reserva de produtos para situações imprevistas, como a impossibilidade de entrega das mercadorias pelo fornecedor, o surgimento de um plano econômico e greves, por exemplo.

Para a garantia do abastecimento em datas comemorativas, o estoque de antecipação prevê o aumento da demanda.

Dropshipping

De acordo com uma pesquisa realizada pela empresa francesa Criteo, o comércio eletrônico deverá movimentar cerca de US$ 1,5 trilhão de dólares em 2018, cerca de 20% a mais do que em 2017.

No Brasil, só em 2016, o faturamento do setor foi de aproximadamente R$ 44 bilhões de reais e há previsão de recorde para 2017.

A facilidade, a rapidez e, atualmente, o maior nível de segurança nas transações executadas por meio desse sistema são os fatores que justificam o aumento no número de compras realizadas pela internet.

E um dos grandes trunfos desse segmento é, sem dúvida, o tipo de estoque utilizado: o Dropshipping.
De forma resumida, Dropshipping é a técnica de gestão baseada no volume de estoque do fornecedor. Assim, o revendedor não precisa manter produtos em estoque, e portanto, tem menos prejuízos caso algum item não venda conforme o esperado.

Quando um cliente faz uma compra, o pedido é repassado para o fornecedor, e este, por sua vez, envia o produto em nome de uma determinada marca. Com isso, o que a empresa terá sempre são os registros dos produtos em seu sistema, sem a necessidade de investir em um estoque físico.

O Dropshipping é um dos tipos de estoque mais utilizados da atualidade, por empresas dos mais diversos ramos de atividade.

Estoque de Trânsito

As grandes indústrias e multinacionais transportam diariamente seus produtos em direção aos pontos de vendas.
No fim das contas, após a carga, os produtos passam mais tempo “em trânsito” do que na área de armazenamento.
Logo, é como se essas mercadorias ficassem horas, dias ou mesmo semanas em uma espécie de “estoque móvel” até chegarem nos revendedores e clientes.

Dentre os tipos de estoque, esse é um daqueles que merece atenção redobrada, pois os produtos podem sofrer algum dano em função da precariedade das estradas e das mudanças climáticas.

Estoque Máximo

Se uma empresa possui um espaço físico não muito grande certamente terá que usar a capacidade máxima do seu estoque.

Se, por exemplo, a empresa em questão resolve pedir 100 geladeiras ao fornecedor (capacidade máxima do seu estoque), os envios serão automaticamente interrompidos quando essa quantidade for atingida.

Utilizar a capacidade máxima do estoque é uma estratégia comum entre as grandes corporações, principalmente para as que trabalham com produtos não-perecíveis, não-sazonais e com estatística de vendas mais ou menos linear durante a maior parte do ano.

Exemplo de estoque máximo.

Estoque inativo

Por mais eficiente que sejam os departamentos de venda e produção de uma empresa, dificilmente ela escapará de ter aqueles produtos com pouco volume de saída, seja porque estarem ultrapassados ou por dificuldades econômicas que atingem o setor.

Uma boa gestão de estoque faz com que essas mercadorias permaneçam devidamente armazenadas – e valorizadas – para a negociação por meio de trocas com fornecedores, liquidação ou mesmo como “incentivo” para a compra de outros produtos, a depender das necessidades da empresa.

Estoque Médio

Esse é um dos tipos de estoque mais utilizados nas feiras livres, restaurantes e estabelecimentos que trabalham com a venda de produtos perecíveis.

Pela natureza dos produtos, as empresas não podem ter um estoque máximo, sendo necessário lidar de forma racional com a armazenagem, especialmente tratando-se de alimentos.

Com essa estratégia, a empresa terá sempre o seu estoque pela metade, acrescido de uma porcentagem a fim de evitar perdas e, ao mesmo tempo, o risco de desabastecimento.

Estoque Regulador

Também pode acontecer de a empresa optar por manter um estoque em uma de suas filiais, exclusivamente para suprir as necessidades das outras.

E escolha dessa “central de estoque” deve considerar diversos fatores, entre eles o espaço disponível para armazenamento e as condições das estradas, sendo portanto mais um dos tipos de estoque indicados para empresas que produzem em grande escala.

Quais os estoques mais recomendados para e-commerce?

Agora, falaremos especificamente dos tipos de estoque mais indicados para empresas que vendem pela internet.
Aproveite e tire todas as suas dúvidas!

Descubra quais são os tipos de estoque mais indicados para e-commerce.

Estoque físico

Esse é um dos tipos de estoque mais conhecidos.
Consiste em um único espaço com dimensões e estrutura suficientes para a armazenagem de todas as mercadorias de uma empresa.

Esse sistema é indicado para médias organizações em função da facilidade com que pode ser administrado. Além disso, a logística é mais simples e há economia de recursos com a gestão do estoque.

No entanto, trata-se de uma estratégia que exige certos cuidados, principalmente com relação ao monitoramento e controle das mercadorias.

Devido à centralização e, consequentemente, ao maior volume de produtos armazenados, os riscos de perdas, a distância em relação a determinados pontos de venda e as dificuldades para abastecer adequadamente todas as filiais podem comprometer a fluidez das atividades.

Estoque Terceirizado ou Dropshipping

Nesse sistema, o estoque é de responsabilidade do fornecedor, que, após o recebimento dos pedidos, encaminhará os produtos aos clientes em nome da empresa.

É um dos tipos de estoque típicos das organizações que também trabalham com e-commerce, pois nesse caso será como uma espécie de “intermediário” entre o fornecedor e o cliente.

O sistema reduz os custos com a aquisição de um estoque físico, torna mais próxima a relação entre empresa e fornecedor e o lucro resulta da diferença entre o preço cobrado pelo fornecedor e o que a empresa divulga no site.
Além disso, o estoque terceirizado subdivide-se em dois tipos:

Dropshipping: nessa modalidade a empresa é tão somente uma intermediária entre o fornecedor e o cliente. Ela apenas tem a ideia do produto como um “estoque virtual”, sendo o fornecedor o encarregado pelo envio do produto.

Cross docking: a empresa é o real vendedor da mercadoria, ficando o fornecedor responsável apenas pela sua estocagem. Muitas empresas escolhem essa estratégia pela possibilidade de acumular primeiro uma certa quantidade de pedidos, de acordo com as suas necessidades e estratégias de vendas.

Estoque descentralizado

O estoque descentralizado, como o próprio nome diz, é aquele que procura atender às necessidades de cada filial.
São vários pontos espalhados por uma região para a garantia da agilidade na entrega dos produtos, redução das perdas e contenção dos gastos com o envio das mercadorias até os clientes.

Na comparação com outros tipos de estoque, o descentralizado exige alguns cuidados específicos, como o investimento em alugueis de espaços físicos.

Estoque compartilhado

Uma empresa pode, perfeitamente, vender seus produtos por meios eletrônicos.

No momento da compra, o site envia o pedido para o fornecedor e este envia o produto para o cliente, em nome de uma determinada marca.

No entanto, pode acontecer dessa marca ser o próprio site de comércio eletrônico, como no caso do Walmart, por exemplo.

Através do estoque compartilhado, tanto as atividades por meios eletrônicos quanto físicos partirão de um mesmo estoque, o que permite mais controle sobre a forma de distribuição dos produtos.

Essa estratégia reduz custos, racionaliza a logística e facilita a gestão, mas será necessário ter muita atenção com relação ao monitoramento, pois é muito comum que um produto dado como inexistente no sistema virtual exista de fato no estoque físico, e vice-versa.

Estoque Consignado

Também é possível que uma determinada indústria utilize-se do estoque de uma distribuidora.
Essa é uma estratégia utilizada por organizações que trabalham com produtos que, pelas suas características, têm pouca saída ou uma evidente característica de sazonalidade.

Nesses casos, não é vantajoso administrar um estoque ou conjunto de estoques, sendo mais racional utilizar um espaço já pronto para armazenar essas mercadorias.

O estoque consignado possibilita acelerar a distribuição e reduz o custo de armazenamento.

É fundamental conhecer todos os tipos de estoque para uma boa gestão com base nos objetivos da empresa e no atendimento das necessidades dos clientes.

Fatores como o tempo de validade das mercadorias, a demanda de produção e a capacidade de armazenamento são decisivos para a escolha de como e onde manter as matérias-primas e os produtos preservados até o momento de entrega aos clientes.

É por isso que organizamos todas essas informações neste artigo: para ajudar você a definir o tipo de estoque mais adequado para sua empresa!

Esperamos que as informações sejam úteis e possam de fato contribuir para a melhoria dos seus resultados.
Para conferir mais conteúdos e dicas empresariais, continue acompanhando do blog e deixe seu comentário caso tenha ficado com alguma dúvida ou queira mais detalhes sobre esta publicação!



Publicado em: 17/05/2018

Gostou? compartilhe!